O fim da arte e os limites da história: a leitura de Danto da estética de Hegel
Gustavo Torrecilha
Universidade de São Paulo (USP)
São Paulo (SP)
TORRECILHA, Gustavo. “O fim da arte e os limites da história: a leitura de Danto da estética de Hegel”. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 18, n° 34 (jan-jun/2024), p. 70-105.
Aprovado: 13/05/2024 · Publicado: 30/06/2024
O fim da arte e os limites da história: a leitura de Danto da estética de Hegel

Este texto tem por objetivo investigar a leitura que Danto faz da estética de Hegel, principalmente de sua tese acerca do fim da arte. Danto reaplica o desenvolvimento histórico da arte narrado por Hegel em sua estética ao seu próprio contexto e vê, especialmente na arte pop, a realização da tese do fim da arte. Além disso, sua atuação crítica também é altamente influenciada pela estética hegeliana, na medida em que ele busca replicar o procedimento interpretativo de Hegel em suas análises. Contudo, apesar de seus méritos na compreensão da arte contemporânea, essa leitura de Danto é feita de maneira parcial, de modo a sustentar suas próprias teses, deixando de lado importantes implicações sistemáticas do texto hegeliano. 

Palavras-chave:
Danto; Hegel; fim da arte; limites da história; crítica de arte
The End of Art and the Pale of History: Danto's Reading of Hegel's Aesthetics

This text aims to investigate Danto's reading of Hegel's aesthetics, primarily his thesis about the end of art. Danto reapplies the historical development of art narrated by Hegel’s aesthetics to his own context and sees, especially in pop art, the realization of the thesis of the end of art. In addition, his criticism is also highly influenced by Hegelian aesthetics, insofar as he seeks to replicate Hegel's interpretative procedure in his analyses. However, despite his merits in the comprehension of contemporary art, Danto's reading is done in a somewhat partial fashion, in order to support his own theses, leaving aside important systematic implications of the Hegelian text.

Keywords:
Danto; Hegel; end of art; pale of history; art criticism