For a History of Truth: Oidípous Týrannos in Michel Foucault
Tereza Cristina Calomeni
Universidade Federal Fluminense (UFF)
Niterói, Brazil
CALOMENI, Tereza Cristina. “Para uma história da verdade: Édipo Rei em Michel Foucault ”. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 14, n° 27 (jul-dec/2020), p. 185-215.
Accepted: 12/16/2020 · Published: 12/28/2020
Para uma história da verdade: Édipo Rei em Michel Foucault

Entre 1971 e 1983, Michel Foucault escreve seis versões de sua leitura de Édipo Rei, a célebre peça escrita por Sófocles no século V a. C. A despeito das diferenças entre os textos da década de 1970 e os da década seguinte, o ponto de convergência do olhar foucaultiano é a noção de verdade como representação da realidade por um sujeito de conhecimento e a ilusória dissociação entre saber e poder sustentada pela crença na existência da verdade pura e imaculada. Seguindo o movimento da peça, o artigo pretende ressaltar alguns aspectos da leitura foucaultiana importantes à compreensão do uso da tragédia de Sófocles na constituição de uma história da verdade. Para tanto, analisa as três versões da década de 1970 – a última aula do curso de 1971, Aulas sobre a vontade de saber, e duas conferências, O saber de Édipo, proferida em 1972, e a segunda das cinco proferidas no Brasil, na PUC do Rio de Janeiro, em 1973, reunidas com o título A verdade e as formas jurídicas -- e alude, quando necessário, às versões incluídas em três cursos oferecidos na década de 1980, O governo dos vivos, Malfazer, dizer verdadeiro e O governo de si e dos outros, de 1980, 1981 e 1983, respectivamente.

Palavras-chave:
Oidípous Týrannos; Foucault; Sófocles; verdade
For a History of Truth: Oidípous Týrannos in Michel Foucault

Between 1971 and 1983, Michel Foucault writes six versions of the famous play written by Sophocles. Despite the differences between the texts of 1970s and those of the following decade, the point of convergence of the foucauldian view is the notion of truth as a representation of reality by a subject of knowledge and the illusory dissociation between knowledge and power sustained by belief in the existence of pure and immaculate truth. Following the movement of the play, the article aims to highlight some aspects of Foucault's reading that are important for understanding the use of Sophocles' tragedy in the constitution of a  history of truth. To this end, it analyzes the three versions of the 1970s  – the last class of the 1971 course, Leçons sur la volonté de savoir, and two conferences, Le savoir de Edipo, given in 1972, and the second of the five given in Brazil, in PUC of Rio de Janeiro, in 1973, reunited with the title La vérité et las formes juridiques  – and alludes, when necessary, to the versions included in three courses offered in the 1980s, Du governement des vivants (1980), Mal faire,dire vrai (1981) and Le governement de soi et des autres (1983).

Keywords:
Oidípous Týrannos; Foucault; Sophocles; truth