I would prefer not to: on Giorgio Agamben ́s Concept of Inoperosity and Contemporary Art
Juliana Moraes
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
Rio de Janeiro, Brazil
MORAES, Juliana. “I would prefer not to: sobre o conceito de inoperosidade em Giorgio Agamben e a arte contemporânea”. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 13, n° 24 (jan-jun/2019), p. 168-192.
Accepted: 08/05/2018 · Published: 06/30/2019
I would prefer not to: sobre o conceito de inoperosidade em Giorgio Agamben e a arte contemporânea

O presente artigo aborda a formulação de inoperosidade, conceito retirado do corpus filosófico do filósofo italiano Giorgio Agamben, como uma categoria privilegiada para pensar o campo contemporâneo da arte. Ao investigar as transformações que se deram nas relações produtivas na ultrapassagem da modernidade envolvendo o trinômio artista-obra-espectador, o texto pensa a operação inoperosa como uma saída para resistir aos imperativos da finalidade, do sentido e da produtividade que nos capturam no mundo capitalista. Segundo Agamben, o personagem de Bartleby, o escrivão que prefere não escrever no conto de Herman Melville, se mostra como uma figura paradigmática desse novo tipo de atividade. Ao final, propusemos uma referência à obra Escolha, da artista brasileira Laura Lima, como uma proposição artística que reflete sobre a desativação do dispositivo operativo em jogo na inoperosidade agambeniana.

Palavras-chave:
inoperosidade; Giorgio Agamben; arte contemporânea; Bartleby; Escolha
I would prefer not to: on Giorgio Agamben ́s Concept of Inoperosity and Contemporary Art

This article deals with the formulation of inoperosity, a concept extracted from the philosophical corpus of the Italian philosopher Giorgio Agamben, as a privileged category for thinking about the contemporary domain of art. Investigating the transformations occurred in the relations of production involving the trinomial artist-work-spectator during modernity's overcoming, the text thinks the inoperosity as a form to resist the imperatives of purpose, meaning and productivity that capture us in the capitalist world. According to Agamben, the character of Bartleby, the scrivener who prefers not to write in Herman Melville's tale, is a paradigmatic figure of this new type of activity. In the end, we propose a reference to Choice, a work by the Brazilian artist Laura Lima, as an artistic proposition that reflects on the deactivation of the operative device at stake in the agambenian inoperosity.

Keywords:
inoperosity; Giorgio Agamben; contemporary art; Bartleby; Choice