A Medeia de Pasolini e a tragédia do homem ocidental
Alexandre Costa
Universidade Federal Fluminense (UFF)
Niterói (RJ)
COSTA, Alexandre. “A Medeia de Pasolini e a tragédia do homem ocidental ”. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 12, n° 22 (jan-jun/2018), p. 15-35.
Aprovado: 29/05/2018 · Publicado: 30/06/2018
A Medeia de Pasolini e a tragédia do homem ocidental

Sentindo-se repudiada por Jasão, que decide esposar a filha do rei Creonte, Medeia dá início à sua vingança, conseguindo, por meio de seus dons extraordinários, que o Rei e a sua filha morram queimados, para depois matar os seus próprios filhos, de quem Jasão é pai. Contando com a exuberante presença de Maria Callas, a versão de Pasolini para Medeia, de Eurípides, mostra o seu toque pessoal ao sublinhar o confronto entre Medeia e Jasão como figuras de dois mundos incompatíveis, realizando uma leitura literalmente histórica da peça. Ela representa um mundo arcaico e divino, marcado pelo mote “tudo é sagrado”; ele, o herói atual, pragmático, racional e dessacralizado – sua tragédia é também a origem da tragédia do homem contemporâneo.

Palavras-chave:
Medeia; Pasolini; Eurípides; tragédia; crítica da cultura
Pasolini's Medea and the Tragedy of Western Man

Feeling repudiated by Jason, who decides to marry King Creon's daughter, Medea begins her vengeance, accomplishing, by means of her extraordinary gifts, that the King and his daughter are burned to death, later killing her own children, of whom Jason is father. With the exuberant presence of Maria Callas, Pasolini's version of Euripides' Medea shows his personal touch by emphasizing the confrontation between Medea and Jason as figures of two incompatible worlds, performing a literally historical reading of the play. She represents an archaic and divine world, marked by the motto “all is sacred”; he, the current, pragmatic, rational, and desacralized hero – his tragedy is also the origin of the tragedy of contemporary man.

Keywords:
Medea; Pasolini; Euripedes; Tragedy; Critique of culture