Desejo e pulsão em Psicose, de Hitchcock
Fernando Ribeiro
Universidade Federal Fluminense (UFF)
Niterói (RJ)
RIBEIRO, Fernando. “Desejo e pulsão em Psicose, de Hitchcock”. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 6, n° 12 (jul-dez/2012), p. 116-127.
Aprovado: 11/03/2013 · Publicado: 13/07/2013
Desejo e pulsão em Psicose, de Hitchcock

Dialogando com as análises de Zizek acerca de Psicose, de Hitchcock, esse artigo põe em relevo três momentos do filme claramente delimitáveis quanto a forma e o conteúdo. A primeira parte, “neurótica”, na qual os personagens giram em torno do objeto perdido de desejo; a segunda, “psicótica”, na qual a perspectiva assumida é a do silêncio “excessivo” da pulsão; a terceira parte, “analítica”, onde três concepções da interpretação são erigidas: a do senso comum, a do analista como “mestre da significação”, e por último, mas não menos importante, a da “clínica do real”, quando o próprio espectador é interpelado pela pulsão de morte.

Palavras-chave:
Hitchcock; Lacan; Zizek; psicanálise; pulsão; interpretação
Desire and Drive in Hitchcock's Psycho

In dialogue with the zizekian analysis of Hitchcock´s Psycho, this paper puts in relief three moments of the film clearly distinguishable by its form and content. The first part, “neurotic”, in which the characters revolve around the lost object of desire; the second, “psychotic”, where the perspective taken is that of the “excessive” silence of the drive; the third one, the “analytic” part, where three conceptions of interpretation are built: that of the common sense , that of the analyst like “master of signification”, and last but not least, that of “real´s clinic”, when the spectator himself is interpellated by the death drive.

Keywords:
Hitchcock; Lacan; Zizek; psychoanalysis; drive; interpretation